Blog Palmilhando

Caminho dos Faróis: a dura jornada que dá início a Oiapoque x Chuí.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Fim da tarde de cinco de junho de 1861. Enquanto tenta se manter de pé no passadiço do Prince of Wales, seu comandante, John McKinnon, perscruta o horizonte. Vinda do sul, uma frente fria se aproxima. Nuvens carregadas pintam o céu de cinza-escuro. Os ventos, cada vez mais úmidos, ganham força, o mar começa a ficar encrespado, as ondas se avolumam, caem as primeiras gotas de chuva, pesadas, gordas e geladas.

Ninguém dorme à noite. O choro apavorado de uma passageira e sua filha junta-se ao rebentar de pesados vagalhões de encontro ao casco do navio, fazendo uma sinfonia macabra. McKinon não deixa a ponte de comando. Reveza-se com o timoneiro, com o piloto e com o imediato na vã tentativa de cavalgar um mar cujos safanões de água e espuma jogam o barco para lá e para cá sem destino nem direção.

No porão, não demora para que a carga de vinho, azeite, cerâmica e tecidos se solte e comece a correr livremente dentro do navio, abalroando seguidamente a parte interna do casco. De repente, uma enorme onda varre o convés do Prince of Wales. Leva consigo três marinheiros, que imediatamente desaparecem no mar. Na ponte de comando, todos são jogados ao chão. A roda do leme fica sem timoneiro. Outra onda gira o navio, que perde o prumo e se desalinha. Não há tempo para recolocar a proa de frente para as vagas. A onda seguinte, com as proporções de um grande prédio, irrompe contra um dos lados da embarcação que emborca e se enche de água. No porão a carga se choca contra o casco e o perfura. Tripulantes e passageiros lutam desesperadamente para não morrerem afogados.

9 de junho de 1861. A borrasca passou. O sol nasceu avermelhado, colorindo os confins da praia do Albardão. Dois caboclos, de pés descalços, estão tocando uma boiada em direção ao Tahim para entregá-la aos tropeiros que a levarão ao distante mercado de Sorocaba. Primeiro avistam dois cadáveres na praia, depois aqui e ali algumas caixas e outros indícios do naufrágio. Finalmente, com o sol já alto, vêm o reflexo de seus raios brilhando contra uma estrutura metálica. Apertam o passo. Aos poucos divisam-se, encalhados, os destroços do Príncipe de Gales. Ignoram os corpos dos marinheiros mortos e se apropriam do que sobrou da carga. Alguns dias depois, quando as autoridades brasileiras encontram os restos do naufrágio, contam dez cadáveres apodrecendo na praia e verificam que a carga do navio havia sido saqueada.

Nos meses seguintes, o Governo inglês acusa o Brasil de negligência culposa ao ter permitido o “assassinato” dos náufragos e o roubo da propriedade de súditos britânicos, exigindo o pagamento de uma polpuda indenização. Diante da recusa de D. Pedro II em aceitar a exigência, navios da Armada britânica apreendem barcos e mercadorias na Baía de Guanabara. O Imperador então solicita uma arbitragem internacional sobre o tema mas, para evitar a escalada das tensões, decide depositar em cautela a indenização exigida por Londres. Ao final do processo, o Brasil é declarado inocente pelo árbitro, afinal o acidente ocorrera em local isolado, inóspito e escassamente povoado. Ainda assim, os ingleses se recusam a pedir desculpas ou a devolver a indenização previamente paga, o que resulta no rompimento das relações entre os dois países, só reatada anos depois, ao estourar a Guerra do Paraguai.

Embora provavelmente seja o naufrágio mais famoso desse trecho do litoral brasileiro, essa longa extensão de praia, sem água e sem porto seguro, sempre foi muito temida pelos navegantes. Desde a descoberta do Brasil foram catalogados 320 navios que afundaram nessa fatia da costa brasileira, mais de um por quilômetro.

Região da Rota dos Faróis também possui atrativos históricos. Foto: Pedro da Cunha e Menezes

Para evitar novos naufrágios, em 1909 o Governo brasileiro mandou erigir naquela faixa de praia o Farol do Albardão, que junto com outros faróis como o do Chuí, o da Barra e o de Sarita aumentou a segurança da navegação. São esses guardiães da segurança marítima que batizam o Caminho dos Faróis, Trilha de Longo Curso Regional que é também um dos Extremos da Trilha Nacional Oiapoque x Chuí.

Sob qualquer ângulo, o Caminho dos Faróis não é para os fracos. Não poderia haver melhor porta de entrada para quem quer completar a Oiapoque x Chuí de cabo a rabo. Sol forte, ausência de sombra, ventos cortantes, tempestades de areia, luminosidade intensa e noites geladas são um teste de força, resiliência e persistência. Sem essas qualidades não será possível ligar a pé os pontos extremos do litoral brasileiro. De fato, sem esses atributos o aspirante a trilheiro de longo curso não vai completar nem mesmo o Caminho dos Faróis.

A Oiapoque x Chuí, que na verdade pode ser tanto percorrida de norte a sul quanto de sul a norte e, por isso também pode ser Chuí x Oiapoque, tem seu início meridional na margem brasileira do estuário do Arroio Chuí. Ali, com as costas para o Uruguai, quem está prestes a iniciar a aventura pela maior trilha de longo curso do Brasil, vai ver apenas areia e mar. Oficialmente, são 240 km de praia contínua até a barra da Lagoa dos Patos, em Cassino, Município de Rio Grande. Como não bastasse ser um local bastante agreste e inóspito, a Praia do Cassino, como é conhecida, também se arroga o título de “Maior Praia do Mundo”.

A bem da verdade, ela é mesmo enorme, mas não chega a ser a maior de todas como alguns gaúchos gostam de acreditar. Em 2012, o geógrafo da Universidade Federal do Rio Grande Marcelo Vinicius de la Rocha Domingues publicou estudo que a colocava em 10º lugar. Ainda assim, é muita praia. De bicicleta é possível cobrir a distância em três ou quatro dias. Caminhando, há quem a percorra em oito jornadas de boa pernada, com estirões que têm em média 30 km. Para quem gosta de ir em ritmo mais lento, apreciando a paisagem e tomando alguns banhos de mar, não seria vergonha completar a façanha em 12 dias.

Posto isso, existem formas de completar a “maior praia do mundo” capazes de agradar a todos os gostos e atender a diferentes necessidades. Para os atletas, desde 2015 o casal de portugueses Paulo Garcia e Sandra Costa organiza a Ultramaratona Extremo Sul, uma das provas de praia mais duras do mundo. No outro extremo, para quem deseja palmilhar a areia com calma, apreciando a paisagem, ouvindo o canto dos pássaros, sem carregar peso, comendo refeições gostosas e dormindo confortavelmente, existe a opção de contratar serviços de apoio, tais como os oferecidos pela operadora Caminho dos Faróis.

Entre as duas opções, existe a possibilidade de avançar de forma independente. Nesse caso, contudo, é recomendável experiência prévia, pois o Caminho dos Faróis tem longos trechos desérticos, com resgate difícil, sem acesso a água, nem a locais onde se pode comprar víveres. É necessário carregar barraca, saco de dormir e suprimentos para, no mínimo, oito dias.

O litoral do Rio Grande do Sul abriga uma das maiores extensões de praia do mundo. Foto: Pedro da Cunha e Menezes

Quem começa a caminhar (ou a pedalar) no Chuí vai percorrer o trecho inicial da praia, vendo uma paisagem decorada por muitas torres de energia eólica até o balneário de Hermenegildo, onde é possível sentar à sombra, comprar uma coca-cola e voltar à civilização. Se for desistir, essa é a última opção razoável antes do farol Sarita, mais de cem quilômetros à frente.

Por outro lado, quem persistir vai ter acesso ao principal prazer proporcionado pelas trilhas de longo curso. Solitude, belas paisagens, noites estreladas e muita natureza bem preservada. Com efeito, desde 2008, a área de praia que começa 50 km ao sul do Albardão e termina no Farol, somada a um quadrilátero com extensão de 20 km para dentro do oceano, está na fila para virar Parque Nacional. O pleito é justificado. À medida que o farol vai se aproximando, os sinais de vida selvagem se multiplicam. São focas, tartarugas, pinguins, lobos marinhos e uma profusão interminável de conchas (que justificam o batismo de um trecho da caminhada como Praia dos Concheiros). A quantidade de cardumes no mar atrai variada avifauna, como maçaricos-de-papo-vermelho, maçaricos-brancos, petréis grandes, trinta-réis de diversas espécies, albatrozes, gaivotões e outras espécies.

Não por outra razão, a REDE BRASILEIRA DE TRILHAS escolheu, em 2017, trabalhar pela consolidação da Oiapoque x Chuí como a trilha mestra do Brasil, após uma reunião de coordenação no ICMBio entre suas Diretorias de Criação e Manejo e de Biodiversidade. Na ocasião o pessoal do órgão responsável por espécies migratórias explicou que a costa brasileira é a principal rota de migração de aves do Brasil. Nesse sentido, como a REDE BRASILEIRA DE TRILHAS tem entre seus objetivos o estabelecimento de conectores de paisagem ligando unidades de conservação e outras áreas núcleo, foi imediatamente decidido que uma trilha nacional seria implementada ao longo do corredor litorâneo. Poucos trechos da Oiapoque x Chuí têm um céu tão colorido por diferentes pássaros quanto o do litoral gaúcho. Aqui é possível ver aves que vêm dos extremos norte do continente, como o Canadá e os Estados Unidos, bem como da Terra do Fogo, na Argentina. Apesar da ausência quase total de infraestrutura para visitação, tanta passarinhada atrai muitos observadores de pássaros do Brasil e do exterior. Vamos voltar a esse tema mais à frente em nossa jornada pela Trilha Oiapoque x Chuí.

Seguimos a pernada, alternando trechos junto ao mar, com passadas às margens da Lagoa das Mangueiras. A lagoa é um gigante de 123 km de extensão e 800 km², que está paralela ao oceano. Embora seja mais difícil caminhar junto às suas águas do que na praia, o variar de paisagens e de pisos torna a empreitada mais interessante. Cinquenta quilômetros depois do Albardão, chegamos à Estação Ecológica do Taim.

Avifauna na Estação Ecológica Taim. Foto: Thierry Rios

Criada em 1986, com 10.938 hectares e posteriormente ampliada para 32.806 hectares, a ESEC Taim é formada por banhados, praias, lagoas, campos, dunas e pântanos, abrigando muitos mamíferos e mais de 250 espécies de aves. Visitei a unidade de conservação em 2017, em companhia de Nelson Brugger, presidente da Federação Gaúcha de Montanhismo, entidade envolvida com a criação da Rede Brasileira de Trilhas desde sua concepção. Na época vistoriávamos o traçado do Caminho dos Faróis com vistas a apoiar a expedição de Edson Sorrentino desde o Chuí até o Oiapoque, que posteriormente foi interrompida por motivo de lesões musculares.

Encontramos uma área protegida fabulosamente linda. Não só os pássaros, mas também emas, capivaras, teiús, árvores frondosas, bromélias e flores de cores vivas nos cativaram. Caio Eichenberger, que na época chefiava a unidade, nos mostrou orgulhoso o pequeno centro de visitantes que montou para atender as centenas de turistas interessados em conhecer mais sobre a natureza do Taim. Nossa conversa com ele suscitou o questionamento: a ESEC Taim está ou não está aberta à visitação?

Segundo a Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, é proibida a visitação pública, nas Estações Ecológicas, exceto quando com objetivo educacional, de acordo com o que dispuser o Plano de Manejo da unidade ou regulamento específico. Por outro lado, no diploma legal não está definido claramente o significado do termo “objetivo educacional”. Muito embora, no Brasil, a educação ambiental ainda seja vista como uma disciplina muito afeta à sala de aula ou a visitas supervisionadas, há conservacionistas defendendo a necessidade de proporcionar educação ambiental por meio do contato direto com áreas naturais. Em uma era em que a síndrome do déficit de natureza começa a ser reconhecida como uma patologia, pesquisadores de vários países têm chegado à conclusão que a forma mais eficiente de educação ambiental é o incentivo a atividades em contato com o ambiente natural. Em seu artigo “Outdoor Activities as a Source of Environmental responsibilities” (Atividades ao Ar Livre como Fonte de Responsabilidades Ambientais) os pesquisadores da universidade finlandesa da Lapônia Irmeli Palmberg e Jari Kuru demonstram que atividades ao ar livre, como trilhas, são poderosas ferramentas que moldam a atitude das pessoas em sua relação com o meio ambiente. Em outro continente, em seu livro “Environmental Education Through Hiking: A Qualitative Investigation” (Educação Ambiental Trilhando: uma Investigação Qualitativa), a professora sul-africana, Gherda Ferreira, chega a conclusões semelhantes.

É perfeitamente possível percorrer o Caminho dos Faróis e implementar a Trilha Oiapoque x Chuí sem visitar a ESEC Taim, apenas margeando seus limites. Considerando, contudo, a necessidade imperiosa de se reduzir a fragmentação das áreas protegidas e o objetivo legal da Rede Brasileira de Trilhas de criar conectores de paisagem entre áreas núcleo, fica a dúvida de qual é a melhor alternativa para a preservação do meio ambiente; se proporcionar uma passagem ordenada do Caminho dos Faróis pela ESEC, com o objetivo manifesto de educar os usuários quanto à sua importância para a preservação da natureza e a necessidade de manter ligações entre ela e outras áreas protegidas ou se é melhor mantê-la fechada a essa modalidade de visitação.

Foto: Operadora Caminho dos Faróis/Divulgação

Com essa dúvida na mente, deixamos o Taim para trás. Em breve passamos pelo farol Sarita e em seguida passamos pelos restos do Altair, encalhado em 1976 a 21 km do nosso destino. A partir daí, aos poucos, a natureza roots começa a se misturar com os sinais de civilização que vão ficando cada vez mais frequentes. Leões marinhos tomam sol lado a lado com o magrão de camisa do Grêmio e sua companheira com uma cuia de mate fumegante na mão. Não tarda para que casas de veraneio dominem a paisagem de um lado, enquanto, do outro, as revoadas de gaivota sobre o mar mantém o tom de natureza selvagem que nos acompanhou até aqui.

Ao fim, chegamos ao Balneário de Cassino e à Barra da Lagoa dos Patos. É hora de descansar os pés e saborear um merecido churrasco regado a cerveja gelada.

Há quem reclame que o Caminho dos Faróis é monótono. Luciana Nogueira, voluntária da Trilha Transcarioca, palmilhou do Cassino ao Chuí em 2017: “Foram horas e horas caminhando sem subidas ou descidas, sem curvas, sem alterações de paisagem. O vento salgado no rosto, o marulhar repetitivo das ondas e o ritmo constante das passadas e das batidas do coração são a marca dessa pernada. Monótono? Não creio que essa é a melhor definição. Diria que a Travessia da maior praia do Brasil é uma grande viagem espiritual, introspectiva. Uma bela oportunidade para conversar consigo mesmo, recapitular os bons momentos da vida, fazer uma auto-crítica desapaixonada, organizar os pensamentos e as paixões”.


Copyright © 2020
Associação Rede Brasileira de Trilhas de Longo Curso (Rede Trilhas)

Hospedagem: apoio Onlink